A Localiza (SA:RENT3) informou nesta terça-feira (11) que sofreu um ataque cibernético. É a primeira companhia listada na B3 (SA:B3SA3) a informar um incidente hacker neste ano. Em comunicado enviado à CVM (Comissão de Valores Mobiliários), a empresa disse que sofreu uma interrupção parcial no funcionamento de alguns de seus sistemas na madrugada de hoje.

Considerada a maior locadora de carros do país em termos de número de agências e tamanho da frota, a companhia atua nos segmentos de aluguel de carros, voltado ao aluguel de carros em agências localizadas em aeroportos e fora de aeroportos, gestão de frotas, responsável pela terceirização de frotas para empresas com base em contratos de longo prazo e franchising, responsável por franquear a marca Localiza Aluguel de Carros no Brasil e na América do Sul.

Sem fornecer detalhes, a Localiza disse que o incidente de segurança cibernética também atingiu suas subsidiárias. “O funcionamento dos sistemas vem sendo restabelecido. Não há, até o momento, nenhuma evidência de acesso a bases de dados, bem como extração ou vazamento de dados pessoais”, garantiu o diretor de finanças e de relações com investidores da companhia, Rodrigo Taves Gonçalves de Sousa.

No ano passado, diversas companhias abertas sofreram ataques cibernéticos, como o grupo de medicina diagnóstica Fleury (SA:FLRY3), a operadora de pacotes de viagens CVC (SA:CVCB3) e a seguradora Porto Seguro (SA:PSSA3). Em outubro, a Atento teve seu data center atingido por um ataque hacker, que prejudicou operações de grandes empresas como a Azul (SA:AZUL4), Vivo, Cielo (SA:CIEL3) e Itaú Unibanco.

Dependendo do tempo de retomada das operações, um incidente cibernético tem potencial de afetar o resultado financeiro de uma companhia, como ocorreu com a CVC no terceiro trimestre do ano passado. A companhia passou metade de um mês sem a totalidade de seus sistemas, um tempo de perda de receita que se refletiu em seu balanço.